“Tivemos que nos reinventar”, afirmou presidente do Seac-SP

0
12

Janeiro de 2022 foi mais um período desafiador na história do setor de serviços. Esta é a avaliação do presidente do Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação no Estado de São Paulo (Seac-SP), Rui Monteiro. O alto número de afastamentos de empregados provocado pela nova onda de Covid-19, em virtude da variante Ômicron, foi fortemente sentido.

“De fato, no retorno das atividades pós festividades de final de ano, houve um grande número de afastamentos e a velocidade foi muito maior do que havíamos registrado em variantes anteriores. Mesmo com feristas substituindo, tivemos que lidar com grandes cargas de serviço para não deixar o cliente na mão e manter a rotina de trabalhou. Foi uma tarefa difícil de administrar”, explicou.

Por outro lado, segundo Rui Montei, como o período de afastamento foi menor – em média 15 dias, enquanto que em períodos anteriores da pandemia as empresas tiveram que lidar com absenteísmo de 30, 60, 90 dias ou mais –, a volta a regularidade das rotinas de trabalho foi mais fácil. O Seac estima que a redução nos afastamentos se aproxima dos 40%.

O presidente do Seac também vê como essencial, para enfrentar o momento, a vacinação em massa da população. “Felizmente, nossos funcionários estão 100% por vacinado e a maioria conseguiu superar a doença sem grandes sequelas. Isso foi uma boa notícia, especialmente porque os trabalhadores do nosso setor são das camadas mais carentes e sentiram com mais força a repercussão da pandemia, sejam econômicas ou sanitárias”, descreveu.

A campanha ‘Limpeza é Saúde’, e principalmente a disseminação de informação de qualidade mantida pela entidade, desde o início da pandemia, foi outra ferramenta importante para o segmento lidar com os desafios. A iniciativa continua atendendo corporações de todos os segmentos, e lembra que o ambiente limpo e organizado impacta na saúde de todos e na qualidade das atividades realizadas pelos colaboradores.

“Infelizmente não tivemos, ainda, como implementar o selo de qualidade, pois demanda um trabalho que precisa ser feito presencialmente. No entanto, continuamos com as matérias, divulgações e apoio aos nossos sindicalizados. E neste início de ano reforçamos mensagem que o vírus está perdendo a força de se multiplicar de forma mais agressiva e que acreditamos que 2022 será o ano de virada e do retorno do crescimento econômico e da volta à normalidade”, avaliou.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here