Presidente da Cebrasse questiona novo Julgamento do STF sobre terceirização de atividade-fim

0
118

O ministro Cristiano Zanin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu destaque no julgamento que discute a abrangência da decisão que validou a terceirização de atividade-fim. O pedido de destaque interrompe o julgamento no plenário virtual e submete a ação ao plenário presencial da Corte, onde o julgamento é reiniciado. De acordo com o presidente da Cebrasse, João Diniz, essa questão foi resolvida com a lei da Terceirização aprovada em 2017, sob a relatoria do senador Laércio Oliveira.

“Essa discussão sobre atividade fim e meio não prospera em nenhum país de primeiro mundo, é uma jaboticaba brasileira. Com acerto a decisão do STF em dar guarida a legalidade da Tercerização na Atividade Fim, sendo discutida apenas a partir de que tempo ela terá acolhida, marco temporal. Infelizmente no Brasil perdemos um tempo imenso discutindo o sexo dos anjos e a quadratura da roda, enquanto isso ficamos para trás frente a outras economias com visão mais prática e objetiva”, afirmou João Diniz.

Em análise anterior, a Corte decidiu que a tese favorável à terceirização se aplicava somente ao futuro e aos processos que estavam em curso na data de conclusão do julgamento (30 de agosto de 2018). Assim, os ministros definiram que as condenações definitivas por terceirização ilícita até essa data continuariam válidas e não poderiam ser revertidas. O Tribunal Superior do Trabalho (TST) já havia proferido 326 mil decisões condenando empresas que terceirizaram sua atividade-fim.

É esse limite temporal para questionar as condenações que é alvo de discussão na Corte. Na época, o placar ficou em 7 a 4 pela modulação vencedora. O relator, Luiz Fux, foi seguido por Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Nunes Marques e Rosa Weber.

A divergência foi aberta pelo ministro Luís Roberto Barroso, que sugeriu uma linha mais favorável às empresas. Ele defendeu que as condenações podem ser revertidas desde que o prazo para apresentação de ação rescisória (que tem como objetivo desfazer os efeitos de sentença já transitada em julgado) não tenha expirado. Barroso foi seguido pelos ministros Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes e André Mendonça.

A decisão foi questionada pela Celulose Nipo Brasileira (Cenibra) e pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), que alegaram que não houve quórum suficiente para definir a tese da modulação. Isso porque a lei estabelece que a modulação de efeitos das decisões devem ser definidas por, no mínimo, oito votos, ou dois terços da composição do STF.

O relator, Luiz Fux, foi o único a votar antes de o julgamento ser suspenso por Zanin. Para o ministro, as condenações por terceirização ilícita podem ser questionadas no prazo de dois anos após o trânsito em julgado. “A ação rescisória, em respeito à segurança jurídica, deve ser proposta no prazo de dois anos do trânsito em julgado da publicação da sentença ou acórdão que se fundou em ato normativo ou lei declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal no curso desse biênio”, propôs.

Agora cabe à presidente do STF, Rosa Weber, pautar o processo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here