Retomada da hotelaria superará expectativas, prevê FOHB

0
88
Retomada da hotelaria superará expectativas, prevê FOHB

A retomada da atividade hoteleira no Brasil deve ser muito mais rápida do que se imaginava no início da pandemia. Há motivos para otimismo, principalmente conforme avança a vacinação no País. É o que mostra o FOHB-Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil e outros relatórios.

Os dados mostram que o desempenho da hotelaria nacional este ano, com estatísticas sanitárias mais graves do que ano passado, está melhor. O número de UHs (unidades habitacionais) operando neste último mês de março foi de 76.527, contra menos de 22.000 em abril do ano passado.

A taxa média de ocupação dos hotéis associados ao FOHB foi de 23,16% em março deste ano, com Revpar de R$ 44,20, enquanto a taxa de ocupação média e revpar em maio de 2020 chegaram a 13,66% e R$25,47; respectivamente.

Isso tudo após um início de 2021 muito negativo no Brasil devido ao aumento de novos contágios e óbitos pela covid-19. Março foi registrado como o pior mês do ano, com 74.903 mortos – 100.158 contágios apenas no dia 25 de março- contra maio de 2020 em que 33.483 pessoas morreram, o mais dramático de 2020. O dia com maior notificações em 2020 foi 29 de julho com 46.393 novos casos.

Novas aberturas continuam

Dados de um estudo do HotelInvest, em parceria com o FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil, mostram que o ritmo de novas aberturas não foi afetado.

Novos contratos foram assinados em 2020 atestando a confiança dos investidores no potencial do turismo nacional e sua rápida recuperação. O número atualizado de hotéis em desenvolvimento no Brasil perfaz hoje 147 projetos, totalizando R$ 6,1 bilhões investidos até 2025. Desses 21.906 novos quartos, 77% se concentram na região Sudeste, reforçando a aposta no mercado corporativo.

O pior já passou

“Observa-se, nesta amostra de 486 hotéis, que apesar das estatísticas de contaminação e óbitos por conta da covid-19 deste ano se mostrarem mais dramáticas que no ano passado, já se vê atualmente números melhores no desempenho da hotelaria nacional. É claro que ainda estão distantes do nível pré-pandêmico, mas podemos afirmar que o pior da crise hoteleira já passou”, afirma o presidente executivo do FOHB, Orlando de Souza.

“Quando comparamos a diária média de julho de 2020 com março de 2021, observa-se um crescimento. Se no ano passado, no pior mês da pandemia, a diária média foi de R$ 186,46, neste ano, em março, ela subiu para R$190,82. Acreditamos que isso acontece por conta das campanhas de vacinação, pelos protocolos rígidos de biossegurança que os hotéis adotaram e também uma maior resiliência dos brasileiros, que conseguem se adaptar com mais facilidade às crises.”

Exemplo de fora

“A retomada é inevitável. O Hemisfério Norte já celebra o verão e seus feriados, como nos Estados Unidos. A aceleração da vacinação permitiu a retomada do setor. Estamos indo bem, porém com demanda nacional – principalmente malha aérea -voltando no segundo semestre” explica o presidente do conselho do FOHB, Eduardo Giestas.

“A recuperação dos mercados internacionais aponta um comportamento que deve se repetir no Brasil. A aceleração da vacinação na Europa, Ásia e Estados Unidos permitiu a retomada do Turismo, impulsionada, principalmente, pelo verão. No Brasil as viagens também voltarão a acontecer à medida que a vacinação atinja uma parcela maior da população. A expectativa é que a receita por quarto chegue a níveis pré-pandêmicos no final deste ano para todas as praças, exceto São Paulo e Rio de Janeiro – mercados que dependem do turismo corporativo internacional e de grandes eventos. Por outro lado, o turismo doméstico de lazer apresenta uma recuperação mais rápida. Com o câmbio desfavorável e a impossibilidade de viajar ao exterior, os viajantes brasileiros trocaram as viagens internacionais por destinos nacionais de lazer, como o Nordeste por exemplo. Esse comportamento deve continuar durante 2022.”

Experiências híbridas

O FOHB- Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil identificou, além de novas fontes de receita, também o crescimento das experiências híbridas, chamadas de phygital experience. Os eventos ganharão maior relevância e audiência, com a utilização das salas nos hotéis somada a recursos tecnológicos. A pandemia obrigou um exercício severo mas importante na busca por otimização de recursos, gestão de custos e uma tendência crescente na conversão de hotéis, ou seja, propriedades independentes buscando integrar o portifólio das grandes redes.

Fontes: SinHoRes/Panrotas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here