Cebrasse se reúne com deputado Derriti para falar sobre Reforma Tributária

0
27

Em reunião online com o deputado federal Guilherme Derriti (PP/SP) o presidente da Cebrasse João Diniz relatou a preocupação do setor de serviços, que é o que mais emprega, com os textos de reforma tributária que tramitam no Congresso. Na ocasião, o doutor em direito econômico e consultor técnico da Anafisco, Alberto Machado, apresentou o Simplifica Já como uma proposta viável para o Brasil. O deputado gostou do texto e sugeriu uma apresentação dele para o ministro da Casa Civil Ciro Nogueira e também para o líder do PP, Cacá Leão.

Perguntado pelo deputado Derriti sobre qual era a maior dificuldade para que o “Simplifica Já” avance, Diniz respondeu que interessa à indústria propostas como as PECs 45 e 110, mas essas são bastante prejudiciais aos setores de comércio e serviços, que são os que mais empregam. “Elas também prejudicam os municípios que já sofrem com baixa arrecadação e tem que viver pedindo emendas parlamentares ou recursos do governo federal”, explicou.

O presidente da Anafisco, Cássio Vieira, explicou também que o Simplifica Já sofre resistências no governo federal que está focado nos projetos da CBS e da Reforma do Imposto de Renda. “Então o que temos de cenário é a indústria de um lado e comércio e serviços de outro, sendo que esses últimos são os que mais empregam.

Alberto falou sobre a vantagem do Simplifica Já, que pode ser uma proposta modular. Ele informou que o texto sobre o ISS já está pronto e ele já está pensado para municípios de qualquer tamanho e que já tem a minuta de uma PEC pronta; bem como a parte infraconstitucional da proposta (PIS/Cofins); a desoneração da folha (o PL já está pronto) e uma proposta também sobre o Imposto de Renda e patrimônio também estão contemplados. Peretti sugeriu que Cacá Leão possa apresentar essas propostas na Câmara.

Diniz acrescentou que o que mais interessa na proposta do Simplifica já é a desoneração da folha de pagamentos para incentivar a geração de empregos. Defendemos a desoneração da folha de salários, cuja tributação chega a atualmente 43%. Isso é um absurdo em um país que está com 15 milhões de desempregados onerar a folha dessa forma. Para se ter uma ideia, os Estados Unidos têm tributação na folha de 17% e o Chile 9%”, comparou o presidente.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here